A influência das redes sociais e dos formadores de opinião no nosso cotidiano

Segundo pesquisa do Ibope de 2013, o Brasil tem atualmente 105 milhões de usuários com acesso à internet, e este número aumenta a cada ano. Dados do IBOPE revelam que 87% dos brasileiros acessam as redes sociais e gastam em média 58 horas por mês navegando pela web, e este tempo aumenta de acordo com a escolaridade.

A influência das redes sociais

A influência das redes sociais e dos formadores de opinião no nosso cotidiano

Com este cenário favorável, de popularização do acesso à internet e das ferramentas facilitadoras como blogs e redes sociais, um novo usuário está tomando forma e alterando a teoria da comunicação que dizia que o emissor produzia a mensagem e o receptor apenas a recebia. Hoje, o mesmo indivíduo que produz, recebe, e ainda pode compartilhar a mensagem.

Este cenário democrático, em que todos têm vez e voz, os meios de comunicação deixam de ser os “donos da razão”, e aplica-se o conceito dos “formadores de opinião” à internet. São pessoas que se dedicam a fomentar blogs e outras plataformas para discutir sobre determinados assuntos, como moda, lifestyle, saúde, dentre outros. Elas possuem, geralmente, um grande número de seguidores, que concordam e que seguem o seu posicionamento. Suas postagens têm alto alcance e atingem pessoas dos mais variados lugares, idades e classes sociais. Um exemplo é a Gabriela Pugliesi, dona do blog Tips4life, que se dedica a reunir em um só lugar orientações sobre dieta, saúde, malhação, entre outros e já chegou a ser incluída em rankings de personalidades brasileiras mais influentes.

Com a facilidade do acesso a internet, as pessoas estão se tornando produtores e receptores de conteúdo, propagado com o auxílio das redes sociais. Esta mudança no nosso comportamento está alterando também a forma como estamos utilizando a internet, cada vez mais voltada para o conhecimento, para obter informações que facilitem o nosso dia-a-dia, moldam o nosso modo de viver e que influencie uns aos outros.

Texto por: Angélica Reis e Fernanda Lacerda