Os últimos lançamentos da última semana: IPhone 5s e 5c

Essa semana uma notícia que movimentou o mercado foi o lançamento dos iPhones 5S e 5C, o que vai fazer com que a versão 5, lançado em  outubro do ano passado, saia de linha. Isso nos leva a pensar: qual a real diferença entre um gadget recém-lançado para um que foi lançado ano passado? Entra aí a chamada obsolescência programada.

iphone

A obsolescência programada é um mecanismo utilizado pelos fabricantes de gadgets: lançam aparelhos com poucas mudanças nos seus softwares, mas que dão aos modelos anteriores o aspecto de já estarem ultrapassados. E nós compramos essa ideia, começamos a procurar datas de lançamento e o preço do próximo queridinho, e o atual aparelho perde a graça quase que instantaneamente. A descontinuidade de produção dos modelos, como a Apple fará com o iPhone 5, por exemplo, é uma forma de potencializar essa “necessidade” de atualização, porque fortalece a impressão de desatualização do consumidor, impulsionando-o em direção à compra.

A quantidade de lançamentos e possibilidades é consequência também da quantidade de players existente no mercado, decorrência da democratização da tecnologia. E esta forma de funcionamento coloca as empresas em xeque também, porque aquelas que não se atualizam constantemente estão condenadas. Prova disso é que a Nokia, uma das pioneiras no mercado de celulares e smartphones, foi vendida à Microsoft recentemente.

A sensação geral é de que estamos sempre correndo atrás do prejuízo. Por mais que estejamos sempre atualizados, em breve haverá uma versão melhor, mais atraente e mais funcional nas prateleiras. Vale a pena parar para refletir sobre esse consumismo desenfreado, não só financeiramente, mas do ponto de vista da sustentabilidade, porque quando os consumimos, estamos produzindo lixo tecnológico. É claro que a tecnologia está aí para facilitar nossa vida, mas é sempre bom exercitar o consumo consciente.

 

Texto por: Ana dos Anjos e Fernanda Lacerda